O GRAP estreou-se da melhor maneira possível na Taça de Portugal ao carimbar o passaporte para a segunda eliminatória da prova depois de vencer ontem à tarde o CD Torres Novas por 2-0, num jogo que ficou resolvido ainda na primeira parte e que ficou marcado por alguns momentos ‘quentes’.

Frente a frente estavam duas equipas dos campeonatos distritais e os primeiros minutos mostraram que ambas as equipas estavam dispostas a fazer um jogo positivo, em busca do triunfo. Assim, o início de jogo foi aberto e repartido, com a equipa do distrito de Leiria e a equipa do distrito de Santarém de olhos postos na baliza contrária.

Apesar do equilíbrio, foi o GRAP quem se adiantou no marcador na sequência de um canto de Caio Prado com Migas a desviar ao primeiro poste, com o guardião Quaresma a não conseguir segurar, deixando a bola em cima da linha à mercê de Cedric que só teve que encostar para o golo, naquele que terá sido um dos golos mais fáceis da sua vasta carreira.

Pouco depois Quaresma redimiu-se do erro cometido ao fazer uma grande defesa a remate de Danny que tinha selo de golo.

O Torres Novas sentiu o golo sofrido e o GRAP aproveitou para dilatar a vantagem ao marcar um lançamento lateral de forma rápida, apanhando o adversário desprevenido, com Cédric a servir de bandeja Danny que cabeceou para o 2-0.

O Torres Novas ainda tentou reagir de imediato, mas o último reduto da formação dos Pousos conseguiu limpar o lance em cima da linha de golo. Em cima do apito para o intervalo, após excelente lance de combinação do ataque do GRAP, Vieirinha surgiu isolado, mas foi travado em falta dentro da área com o árbitro a apontar para a marca dos 11 metros, mostrando ainda o vermelho ao guardião Quaresma. Na conversão do castigo, Cedric permitiu a defesa do recém-entrado Nabais.

Se a primeira parte foi interessante de se seguir, com o golo a poder cair para qualquer um dos conjuntos, a segunda parte foi jogada a ritmo de treino. Ainda assim, o Torres Novas surgiu no segundo tempo disposto a não deitar a toalha ao chão, mas nesta fase o GRAP geria o jogo de forma lenta e pausada, procurando resfriar o ímpeto do adversário.

A tarefa dos visitantes ficou ainda mais difícil quando Júlio viu o segundo cartão amarelo, deixando a sua equipa com nove elementos em campo, quando ainda faltava 30 minutos para jogar.

Escusado será dizer que o jogo deixou de ter qualquer tipo de interesse, já que o GRAP dominava em toda a linha, perante um adversário abnegado e que nunca baixou os braços, mas sem argumentos para fazer face à inferioridade numérica e no marcador.

O GRAP, confortável com o resultado e já em descompressão – afinal foi o primeiro jogo oficial da época – baixou bastante de produção, mas ainda assim esteve perto de marcar. Contudo, o remate de Lagoa embateu no poste da baliza de Nabais.

O árbitro Quitério Almeida, de Lisboa, teve uma actuação positiva, mas se tivesse tido um critério disciplinar mais largo teria ‘salvo’ o espectáculo. Ainda assim, não cometeu erros de maior e não teve influência no resultado final, apesar de ter sido muito contestado por adeptos, jogadores e equipa técnica do Torres Novas.

GRAP   2
Mocheco, Lagoa, Lomba, Migas, Lucas (Ricardo Soares, 68′), Fábio Pedro, Caio Prado, Alex Cruz, Danny, Vieirinha (Rodrigo Silva, 60′), Cedric (Mantorras, 78′).
Não jogaram: Renato, Fábio Martins, Benny, Juninho.
Treinador: Carlos Ribeiro.

CD TORRES NOVAS   0
Quaresma, Dias, Sudesh, Júlio, Timor (Soma, 80′), João Alves, Messi, André Vieira, Joel (Tiago Vieira, 60′), Ricardo Major (Nabais, 45′), Rafa.
Não jogaram: Edgar, André Pedro, Faneca, Francisco Gonçalves.
Treinador: Nando Costa.

Campo da Charneca, nos Pousos
Árbitro: Quitério Almeida (AF Lisboa).
Assistentes: Ricardo Oliveira e André Mendes.
Espectadores: 400.
Ao intervalo: 1-0.
Golos: 1-0 Cedric (17′), 2-0 Danny (29′).
Disciplina: Amarelo a Joel (9′), João Alves (30′), Júlio (35′ e 63′), Soma (81′), Lomba (88′). Vermelho directo a Quaresma (44′) e por acumulação a Júlio (63’). O técnico Nando Costa recebeu ordem de expulsão.