Os 31 sócios da Associação Académica de Santarém presentes na Assembleia Geral realizada no dia 2 de maio, quarta-feira, elegeram, por unanimidade, os novos órgãos sociais do clube para os próximos dois anos.

Carlos Mendonça Esteves, empresário ligado à mediação imobiliária e à restauração, é o novo presidente da direção, que engloba vários elementos de órgãos sociais anteriores e também alguns estreantes.

Aos 35 anos, esta é a primeira experiência de Carlos Esteves no dirigismo desportivo, num misto de curiosidade, interesse e amor pelo clube. “A paixão que sinto pela Académica levou-me a cometer esta loucura. É tudo novo para mim mas sou muito ambicioso, estou habituado a liderar equipas de alto rendimento e é uma experiência que não me assusta”, disse à Rede Regional.

O novo presidente confessa que o processo foi muito rápido e começou com um convite de Rui Pombo, um dos antigos diretores, que achava que ele era a pessoa indicada para que o clube não caísse num vazio diretivo, uma vez que a data das eleições se aproximava e não ainda não havia nenhuma lista.

Antes de aceitar, Carlos Esteves colocou 3 condições: quis saber se o núcleo duro dos antigos diretores o acompanhava , se a situação financeira do clube era estável e se a cordenação técnica se mantinha. Com respostas positivas a todas as questões, aceitou encabeçar a lista e está confiante que a equipa que escolheu lhe dá as condições necessárias para manter a Académica como um clube de topo no futebol de formação.

 

Novo campo é prioridade

Apesar da rapidez do processo de candidatura, a nova direção tem já algumas prioridades definidas, entre as quais melhorar a comunicação para o exterior e a imagem do clube, reforçar a estabilidade financeira e arranjar novos parceiros.

No entanto, o maior desafio é estrutural e passa por construir um novo relvado sintético, que melhore as condições de treino dos cerca de trezentos jovens praticantes. A ideia é voltar às negociações com a autarquia e a direção do Instituto Politécnico de Santarém para o arrelvamento antigo campo de rugby da Escola Superior Agrária, atualmente desativado.

Já as obras na sede do clube, sendo um objetivo, não são uma prioridade, devendo ser estudada uma solução transitória para resolver alguns problemas mais graves do edifício.

 

António Torres despede-se após 4 anos e meio

antonio torres academicaCom a entrada da nova direção, chega ao fim uma série de dois mandatos de António Torres à frente do clube. O ex-presidente aproveitou o momento para enviar uma carta aos associados, onde de despede e deixa um balanço destes 4 anos e meio.

A resolução da situação financeira em que o clube se encontrava, com dívidas antigas que tiveram de ser saldadas, a alteração dos estatutos (que eram de 1943), e as parceiras estabelecidas com mais de 50 parcerias, através das quais os sócios têm descontos nas suas compras em estabelecimentos da cidade”, foram as primeiras referências de António Torres.

Os jantares de natal, nos quais foram entregues distinções a sócios, atletas, colaboradores e outras entidades, bem como o livro editado para preservar a memória dos 85 anos da Briosa, foram outros destaques, a par do regresso da Académica à Feira Nacional de Agricultura comuma “tasquinha” e da realização do Santarém CUP, “umdos maiores eventos desportivos de Santarém e simultaneamente, um dos maiorestorneios nacionais de futebol de formação organizado por um clube”.

As obras na Escola Superior Agrária, com um novo campo de futebol sete com dois novos balneários, secretaria e posto médico, a construção de um campo relvado sintético para treino de guarda-redes, e as melhorias nos restantes campos e bancadas, mereceram também uma referencia de antónio Torres, que sai com “duas espinhas atravessadas na garganta”.

A primeira diz respeito ao arrelvamento do campo de rugby, que estava preparado e financiado mas não avançou porque a Assembleia da Escola SuperiorAgrária e o Politécnico de Santarém chumbaram tal projeto.

A segunda refere-se á reabilitação da sede do clube no centro histórico, inviabilizada pela Santa Casa da Misericórdia de Santarém, proprietária do espaço, apesar de um acordo com a autarquia, estabelecido em 2017, que assumia a parte financeira.

 

As caras da Briosa

A direção liderada por Carlos Esteves inclui ainda Rui Pombo, Nuno Branco, Rogério Ribeiro, Carlos Marques, Nuno Colaço, Rui Alcobia, Francisco Duarte, João Marecos, Joaquim Guerreiro, Luís Chambel, Luís Mata, Ramiro Violante e Luís Lopes.

António Melão, ex-presidente do clube, é o presidente da Mesa da Assembleia Geral, sendo acompanhado por João Amaral e Paula Santos. O Conselho Fiscal é composto por João Rodrigues, Filipe Ribeiro e Júlio Cruz.

 

 

Texto e fotos: Rede Regional