Nunca teve o mediatismo de outros atletas do concelho, mas Rui Marques teve um percurso muito positivo em clubes da região. Foi campeão da 1.ª Divisão Distrital, mas perdeu três finais: Taça do Ribatejo, Taça da Amizade do Inatel e Distrital da mesma organização. No futuro quer ser treinador e também dirigente.

Rui, ainda se lembra quando começou a jogar futebol?
Se bem me lembro, tinha nove anos de idade e havia os infantis A e infantis B. Eu pertencia aos infantis B, e o treinador era o mister Raposeira..

Na altura, não existia tanta oferta como há hoje. Porque escolheu o futebol?
Não, não havia muita oferta, mas todos queriam jogar no U. Almeirim e eu sou um privilegiado porque o mister Fininho viu-me na rua a jogar futebol e levou-me para a União, e continuei porque gostava apesar de, na altura, andar no atletismo e dançar no rancho.

Fez todo o percurso no U. Almeirim?
Não, apenas fiz as camadas jovens, desde o escalão de infantis até ao escalão de juniores, onde fui campeão da primeira distrital, de seguida parei três anos e quando regressei fui jogar no Raposense, onde estive uma época. Regressei ao U. Almeirim pelas mãos do Diretor Victor Fernandes, onde permaneci durante nove épocas. Quando saí fui jogar pelo Grupo Desportivo Empregados do Comércio, durante três épocas; após a minha saída, fui jogar pelo Clube de Futebol de Benfica do Ribatejo, onde ainda estou e pelo qual vou representar pela sexta época.

Quais os treinadores que mais o marcaram?
Tive muitos treinadores que marcaram a minha carreira desportiva, tais como o Mister Manuel Madruga, Mister Fernando Santos mas o que mais me marcou foi o Mister Luís Taborda, pela sua maneira de ser e estar com os jogadores.

Se a minha memória não me trai, a sua geração foi a que seguiu ao Carrapato, Claúdio, Pedro Silva e companhia… Eram essas as referências?
Sim, eram, mas houve mais jogadores que me incentivaram a continuar neste desporto. O Rodolfo Leandro, conhecido pelo Do… o Nelson, que nós chamávamos de Lisboa, e o Roxo.

Mas no fim da formação veio a desilusão de não ficar nos seniores?
Não, pois valores mais altos falaram. Eu tive, como muitos outros, de ir cumprir tropa. E foi aí que tive de deixar o futebol e, claro, com muita tristeza, mas com a esperança de voltar, como fiz anos mais tarde.

Vai jogar até que idade?
Irei jogar até que as minhas pernas deixem, ou então pelo menos até aos 40 anos

Sente que podia ter chegado mais longe no Futebol?
Sim, por vezes, olhando para o meu percurso, acho que poderia ter ido mais longe, pois durante a minha segunda época nos infantis, o SCP fez o convite aos meus pais, mas a vida nessa altura era diferente e os meus pais não aceitaram e não tive essa oportunidade, mas não me impediu de continuar a jogar futebol.

Quando não der para jogar mais, quer ser dirigente ou treinador?
Treinador, pois recentemente tirei o curso e assumi o comando de várias equipas e escalões, e é neste sentido que me sinto realizado. A formação é algo que gosto e gostaria de continuar a fazer.

Texto e foto: O Almeirinense