A equipa secundária de iniciados do CADE continua a evidenciar veia concretizadora assinalável e, no passado fim-de-semana, elevou para 204 os golos na 2.ª Divisão Distrital, obtidos em 22 jornadas.

O CADE é, nesta altura, a formação mais concretizadora do campeonato do distrito de Santarém e a nível nacional. Depois do 1-6 ao FC Mindense, no domingo, os jovens do Entroncamento continuam a mostrar nesta época uma capacidade de finalização verdadeiramente avassaladora.

A ‘culpa’ por esta excelente época deve-se, em grande parte, ao trabalho realizado por Fábio Pereira. O treinador dos iniciados que conta com passagens pela formação do Torres Novas e Assentis, acompanha este grupo de 2003 há três anos e admite que o facto de jogarem juntos há muito tempo influencia no sucesso da equipa. “Primeiro é necessário referir que há muito mérito dos atletas. Trabalham imenso para evoluir, sacrificam-se pela equipa e partilham objectivos comuns. Identificam-se com a realidade do clube e com a dimensão que este representa no distrito de Santarém. É uma equipa que joga junta há muitos anos desde os escalões de formação inicial, algo que é uma mais valia. Este é o meu terceiro ano com este grupo e a evolução tem sido notável, sendo que fizeram uma campanha digna de registo na época passada no campeonato distrital de infantis. Na transição para o futebol 11, pois no nosso clube todos os jogadores que disputam o campeonato distrital de iniciados são de primeiro ano, foram necessários alguns ajustes em termos de plantel, tendo em vista uma melhor preparação para o objectivo fundamental, formar um grupo competitivo para disputar o campeonato nacional de iniciados e esse sim é o principal objecto deste primeiro ano, formar um grupo competitivo, aliado claro aos objectivos sempre presentes nas formações, como a formação humana e incutir valores para a vida, mensagens sempre presentes”, disse o técnico.

Para além do facto de os jogadores já se conhecerem bem dentro e fora do campo o técnico enaltece o grande esforço que fazem no seu dia-a-dia. “Alguns atletas moram a mais de 40 km de distância. Raramente falham a treinos, a não ser por motivos de força maior. Para além disso, a maioria, consegue ter bons resultados escolares, pelo que a conciliação é perfeita. A juntar a isto, é de louvar o apoio exterior (grupo de pais), são extraordinários no apoio à equipa e inclusive aos treinadores. Numa altura em que está na moda comentar o papel dos pais na formação, a mim, na parte que me toca, sou um privilegiado nesse campo, pois tenho relações fortes e próximas de todos. Acrescentar ainda como complemento deste ano a enorme ajuda prestada pelos treinadores Vítor Silva e José Simões, que têm sido incasáveis na ajuda e empenho com o grupo”, referiu.

A equipa do CADE é líder, sem qualquer contestação, contudo na próxima época permanecerá na segunda divisão devido às regras da AF Santarém. “Na minha opinião o campeonato é desajustado e haveria todo o interesse em que a equipa de primeiro ano do CADE participasse na 1.ª Divisão Distrital, pois teria mais competitividade. No entanto todas as equipas pré-nacional do CADE passaram por esta etapa e prefiro neste caso dar mérito aos meus atletas que são enormes na responsabilidade, no carácter e no compromisso com o clube”, contou.

Depois de uma época como esta, as expetativas para o próximo ano são altas, mas Fábio Pereira mantém os pés bem assentes na terra e não quer confiança excessiva. “A equipa está em processo de preparação para esse objectivo. Na minha opinião sem dúvida que está preparada, no entanto nunca descurando o processo, porque num planeamento existem várias etapas que se pretendem atingir e nessas nunca haverá uma meta final, estamos sempre em aprendizagem. Pelo rendimento elevado que se tem obtido na presente temporada, haverá sempre uma tendência ‘inconsciente’ de comparar a prestação da equipa no campeonato nacional com o número de golos deste ano. São realidades totalmente diferentes, e a mim preocupa-me que percebam isso, que tenham os pés bem assentes no chão e que queiram sempre dignificar o clube. Que saiam do campo, quer em treino quer em jogo com o sentimento que deram tudo”, concluiu.