Atualmente com 42 anos de idade, Jorge Maia iniciou a sua carreira de árbitro de futebol em 1995, permanecendo até 2001 nos quadros do Conselho de Arbitragem (CA) da Associação de Futebol de Santarém (AFS). Nesse ano ascendeu aos quadro nacionais e agora é o presidente do Conselho de Arbitragem do organismo que tutela o futebol distrital. A Rede Regional foi falar com ele.

Rede Regional  (RR) – O que o motivou a candidatar-se a presidente do Conselho de Arbitragem da AFS?
Jorge Maia (JM) –
Costuma dizer-se que a vida é feita de ciclos. Ponderei um conjunto de fatores e com uma longa ligação à arbitragem, dentro e fora do campo, que durou 21 anos, e com a subida do João Mendes ao patamar mais alto da nossa arbitragem e não o podendo acompanhar nas mesmas funções devido à regulamentação, apesar de vários convites de outros colegas para assistente dos quadros nacionais, decidi pôr um ponto final à minha carreira dentro do campo.
Neste período temporal a seguir o fim do campeonato, a A.F. Santarém foi a eleições e nessas eleições foi eleito o vice-presidente do anterior conselho (Pedro Portugal) a presidente. Por impossibilidade de um dos elementos desse conselho, ele foi obrigado a tomar posse no CA da Federação Portuguesa de Futebol. Ora assumiu funções interinas  António Gonçalves ,antigo conselheiro até novas eleições. Com toda esta situação, decidi formar equipa e apresentar candidatura ao Conselho de Arbitragem.

RR – Quais os clubes filiados na AF Santarém que o apoiaram?
JM –
Quem elege o presidente do Conselho de Arbitragem são os clubes filiados na Associação de Futebol de Santarém, e nesse sentido contactei todos  a fim de dar a conhecer a minha intenção de apresentar uma equipa e formar novo conselho e a aceitação por parte de todos foi incrível. Não tinha a noção do conhecimento que os clubes tinham em relação à minha pessoa mas com os contactos efetuados fiquei sensibilizado com as suas preocupações e atento ao futuro.

RR – Como analisa o estado da arbitragem a nível distrital?
JM –
A arbitragem distrital tem vindo a ganhar o seu espaço e credibilidade juntos dos nossos clubes e agentes desportivos. É importante consciencializar todos os agentes desportivos para função do árbitro. Se um jogador tem um jogo menos conseguido e é apoiado e reconfortado por todos os colegas e sua estrutura, ora o árbitro, atendendo à sua ingrata função de ajuizar no momento, por vezes decide de forma errada. Mas não pode, de maneira alguma, ser crucificado sempre que toma uma decisão menos positiva por todos os intervenientes diretos e agentes no jogo. É importante criar uma politica de aproximação entre árbitros e clubes, para que todos os agentes entendam que são parceiros do deste desporto espetáculo que é o futebol/futsal.

RR – Qual o seu programa de ação para o mandato de 2016/2020 ?
JM –
Este Conselho de Arbitragem tomou  posse para o Quadriénio 2016-2020 a 16 de agosto na sede da Associação de Futebol de Santarém e decidiu analisar detalhadamente a situação da arbitragem distrital, com o intuito de consolidar o desenvolvimento que o sector da arbitragem tem vindo a verificar.
Esta análise incidiu sobre o funcionamento do Conselho, a relação com os agentes de arbitragem, a formação dos árbitros, observadores e regulamentação. Suportamos a nossa estratégia, com uma visão prospectiva de grande ambição e espírito de missão. A nossa missão assenta em três bases fundamentais: regulamentação, formação e modernização.  Por último, e para valorizar a nossa arbitragem, só com uma família unida conseguiremos trilhar esse caminho e alcançar os nossos objetivos. Neste sentido reformulámos o Regulamento de Arbitragem e apresentámos os Planos de Actividades para a época desportiva 2016/2017 (Futebol/Futsal).

RR – Quantos árbitros possui a AF Santarém? É suficiente ou serão precisos mais?
JM –
A arbitragem distrital possui cerca de 150 árbitros de futebol e futsal e atendendo ao número de jogos por fim de semana este elementos são escassos para preencher todas as nomeações. Neste seguimento realizaremos este ano mais um curso de árbitros para que se possam colmatar essas lacunas.

RR – João Mendes é o único árbitro da AF Santarém no principal escalão da arbitragem nacional. Em seu entender, Santarém, a breve prazo, terá condições para dar mais um árbitro à Liga de Futebol?
JM –
A arbitragem da A.F. Santarém já tem um longo palmarés de árbitros presentes no escalão mais alto da nossa arbitragem, e neste momento o João Mendes é o nosso árbitro na 1.ª Liga. O Conselho de Arbitragem tem nos quadros distritais e nacionais árbitros com qualidades de excelência para atingirem o topo, e que naturalmente estão a percorrer o seu percurso para atingirem a elite. Naturalmente que a curto prazo teremos mais árbitros nessa categoria e a nível internacional.

Texto e foto: Grácio dos Santos – Rede Regional